FANDOM


Privatizações e UniversidadesEditar

Oi, meu nome é Antônio José.

Dei uma olhada por alto... o trecho sobre as privatizações, da maneira que está escrito, não ficou tendencioso?? Pois, você não cita as privatizações da Vale, das telecomunicações e outras N estatais que no governo FHC passou para o setor privado.

Você também não cita nada sobre a expansão da universidades federais, do aumento do número de vagas, criação de novos cursos??

Antônio José aj.rodrigues (at) ymail.com


Resposta: O texto não é sobre as privatizações em si, é sobre a inconsistência nas posições políticas. O partido que ataca as privatizações é o PT, e não o PSDB, portanto, só há inconsistência na posição do PT a respeito. Quanto à expansão de vagas em universidades federais, isto está citado, utilizando dados do Censo do Ensino Superior do INEP. (Rodrigo Barni)


Salário Mínimo em DólaresEditar

Valor do salário mínimo em dólares:

 -- 1994 -> R$ 64,79 - US$ 68,92 ---> Cotação em 29/07/1994 (data da medida) - R$ 0,94
 -- 2002 -> R$ 200,00 - US$ 84,56 ---> Cotação em 27/03/2002 (data da medida) - R$ 2,365
 -- 2010 -> R$ 510,00 - US$ 283,80 ---> Cotação em 15/06/2010 (data da lei) - R$ 1,797
 -- 2010 -> R$ 510,00 - US$ 295,82 ---> Cotação em 01/01/2010 (data do inicio) - R$ 1,797
* Fonte dos salários: http://pt-br.governobrasil.wikia.com/
* Fonte da cotação: http://www.financeone.com.br/moedas/cotacoes-do-dolar

Valor do salário mínimo nominal relativo a salário mínimo necessário do DIEESE:

 -- 1994 -> R$ 64,79 - R$ 590,33 --> 10,97%
 -- 2002 -> R$ 180,00 - R$ 1.091,21 --> 16,49%
 -- 2010 -> R$ 510,00 - R$ 1.987,26 --> 25,66%
* Fonte dos salários: http://pt-br.governobrasil.wikia.com/
* Fontes do salário mínimo necessário do DIEESE: http://www.dieese.org.br/rel/rac/salminMenu09-05.xml#2009

Não sei se é do interesse de vocês publicar estes dados, embora seja do interesse de todos os eleitores, mas acho que a comparação fica mais justa quando se leva em conta os valores do dólar e do DIEESE. Também seria legal (e do interesse de todos os visitantes) que se fizesse uma comparação levando em conta a inflação, porém não consegui encontrar indicadores, apenas sites com pesquisa própria.


Resposta: O valor em dólar não é representativo do poder de compra no Brasil. A variação do dólar, em si, não é boa nem ruim, afetando de forma completamente diversa setores diferentes da sociedade: o aumento no USD favorece as exportações (gerando emprego e renda) enquanto a queda favorece as importações (baixando custos). Verificamos o salário mínimo necessário segundo o DIEESE mas optamos por não utilizar os dados, até porque os dados não são oficiais mas de uma organização sindical. Se você tiver uma fonte oficial (de preferência governamental) para um dado similar iremos considerar. (Rodrigo Barni)

Apesar de termos optado por não utilizar os dados fornecidos, elaboramos a seguinte comparação:

 --         Inicial   Final   Período   Variação    Anual   Nec. Inicial   Nec. Final   % Nec. Inicial   % Nec. Final   Variação % Nec.   Variação % Nec. Anual
 -- FHC       64,79  200,00         8     208,69    15,13         590,33     1.091,21       10,9752173     18,3282778       66,9969474                     6,62
 -- Lula     200,00  510,00         8     155,00    12,41       1.091,21     1.987,26       18,3282778     25,6634763       40,0212101                     4,30

Portanto, a comparação utilizando os dados fornecidos seria favorável ao governo FHC, visto que a variação anual média do salário mínimo em relação ao valor necessário sugerido pelo DIEESE é maior em seu governo do que no governo Lula (6,62% no governo FHC, 4,3% no governo Lula). (rflbm)


Suposta ParcialidadeEditar

Texto Parcial e com Dados Equivocados

Ao não apresentar os dados integrais do IBGE a página transmite parcialidade... visualizando o histórico de edição nas últimas 48 horas a grande taxa de edição pelo mesmo autor, assim como as páginas relacionadas aos dados do wikia, nas poximidades de uma eleição, pode-se concluir que há alguma ação para favorecer algum candidato.

Já pedi para tirarem a página do ar até colocarem os dados corretamente e colocar um link para o site do IBGE, onde os leitores podem ver os dados íntegros, oficiais e com gráficos não tendenciosos.

Además, sugiro que visualizem os gráficos feitos pela Revista Época da semana de 3 à 10 de outubro de 2010. Onde apresentam dados integrais com gráficos onde é possível visualizar de houve realmente crescimento ou queda dos índices e não aprenas a pseudo-variação, que está calculada de modo equivocado em uma série de artigos.

O autor do artigo, por exemplo, colocou alguns dados (equivocados) de taxa de aparelhos de TV por domicílio, mas não colocou o de Telefones, pois viu que os dados não favoreciam a retórica que ele quer defender. Provando que o artigo é parcial e mostra estatísticas equivocadas em quase todos os quesitos.

Favor visualizem o site da ONU e do IBGE: http://hdr.undp.org/en/countries/ http://www.ibge.gov.br/series_estatisticas/index.php


Resposta: Todos os dados foram obtidos de fontes oficiais que são devidamente citadas. Se há algum erro, por favor indique o erro específico, os números corretos, e a fonte. Quanto à suposta parcialidade: como a própria página inicial indica, as estatísticas são selecionadas principalmente com base em afirmações errôneas realizadas por campanhas eleitorais ou divulgações de partidos ou seus partidários. Em nenhum momento o Governo Brasil Wiki afirma apresentar a totalidade dos dados, e exatamente por isso as fontes oficiais são devidamente citadas no início da página principal. Se você não quer um resumo dos dados, mas sua totalidade, pode - e deve - acessar diretamente os links fornecidos. (Rodrigo Barni)


Endividamento/PIB vs Resto do MundoEditar

É importante mostrar o perfil da dívida correlacionada com a geração de riqueza interna e externa, senão fica implícita alguma forma de falácia informal, como cherry picking de dados e evidências anedóticas (http://en.wikipedia.org/wiki/Anecdotal_evidence). É importante ressaltar que endividamento, per se, não significa nada, ou seja, economics 101: George Soros é mais endividado que qualquer brasileiro de classe média, com dívidas milhonárias. A atividade de alocação de recursos e geração de riqueza sempre implica em endividamento, o importante é a qualidade desta divida e o prognóstico da mesma.

A condição ceteris paribus é economics 101, é básico, para que não se estabelece uma falsa causa ou agência (non causa pro causa) à uma série de eventos econômicos de natureza teleonômica, em que é possível distribuir intenções ou causações até os limites da lógica, passando por cima de variáveis históricas, mudando a flecha da causação, algo que é recorrente tanto para as análises pró-Lula quanto para as pró-FHC.


Resposta: Qualquer tipo de comparação ou análise de estatísticas de desenvolvimento social e econômico é sujeita a falhas. Seu comentário basicamente invalida toda e qualquer comparação entre desempenho de índices, uma vez que nunca será possível comparar a totalidade das informações, mas apenas um determinado subset das mesmas. Interessante do ponto de vista filosófico, mas inútil na prática. Bobagens sobre área de formação, apesar de irônicas, foram removidas. (Rodrigo Barni)


Paridade de Poder de CompraEditar

Diogolp, obrigado pelas sugestões, estamos verificando os dados. Por favor não insista. (Rodrigo Barni)


Ressalvas sobre os dadosEditar

Nao tive paciencia pra verificar tudo, mas me parece um pouco exagerado que todas as barrinhas azuis sejam maiores daquelas vermelhas, e fui averiguar no IBGE um dos dados apresentados por este senhor que teve tanta paciencia em organizar todos estes graficos. Nos dados do IBGE sobre 'Domicílios servidos de rede geral de abastecimento de água - Total Brasil ' , o grafico apresenta crescimento constante, e tem mais, existe uma nota que diz que :

Até 2003, exclusive os domicílios da área rural de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá.

ou seja, todos estes estados nao entravam nos dados fornecidos pelo IBGE no governo do FHC.

Espero que esta ressalva nao seja apagada como as outras que o Rodrigobarni apagou, nao me parece um modo muito justo vir aqui pra tentar manipular as pessoas com graficos mirabolantes.


Resposta: Todas as fontes são devidamente citadas. A informação mais atual (no momento da criação da comparação) é utilizada em todos os casos. São removidos apenas comentários ofensivos ou que insistem em postar repetidamente dados falsos ou que não foram verificados.

Ganho real do salário mínimoEditar

Porque meu texto mostrando o aumento real do salário mínimo foi apagado? Fui cordial, usei os DADOS MOSTRADOS NA PRÓPRIA PÁGINA. Bom, acreditando que foi um equívoco seu, colocarei novamente as contas:

"Inflação acumulada de 1995 a 2002 (FHC): 114,43%, ou 0,00028% do acumulado anterior. Queda de 99,99972% em relação ao governo anterior.

Inflação acumulada de 2003 a 2010 (Lula): 47,72%, ou 41,71% do acumulado anterior. Queda de 58,29% em relação ao governo anterior."


De 1994 a 2002 (FHC) o salário mínimo cresceu 208,68% ou 15,13% ao ano
De 2002 a 2010 (Lula) o salário mínimo cresceu 155,00% ou 12,41% ao ano 


Assim sendo, temos:

Aumento real do salário no governo FHC: 206,68%/114,43% = 180,62% Aumento real do salário no governo Lula: 155,00%/47,72% = 324,81%

Assim sendo, o aumento real do salário mínimo no governo Lula foi 1,8 vezes maior do que no governo FHC.


Os cálculos não estão errados. Fazendo desta forma, sabe-se qual foi o aumento em relação à inflação. Desta forma, pode-se calcular o aumento do poder de compra, uma vez que a inflação mede o aumento médio dos preços. Dando um exemplo simples, vamos supor que uma cesta básica custasse R$100,00 no início do governo FHC, e o salário mínimo fosse de R$200,00. Ao final do governo, a mesma cesta básica custaria R$214,43 e o salário mímimo seria de R$517,36. Assim, o trabalhador que no começo teria condição de comprar 2 cestas básicas, ao final poderia comprar 2,41 cestas básicas. Agora, supondo os mesmos valores de cesta básica e salário mínimo no inicio do governo lula. Ao final, a cesta básica seria de R$147,72 e o salário mínimo de R$510,00. O trabalhador poderia comprar 3,45 cestas básicas, muito mais do que no governo FHC.


Resposta: Ok, obrigado pela contribuição. Vamos verificar e atualizar a página principal em breve. (Rodrigo Barni)

Os valores corretos de aumento real do salário são 43,96% para o governo FHC (inicial de R$ 64,79, final de R$ 200, inflação acumulada de 114,43%; considerando o valor inicial da moeda, o valor final do salário mínimo seria R$ 93,27, ou 143,96% dos R$ 64,79 iniciais) e 72,62% para o governo Lula (inicial de R$ 200, final de R$ 510, inflação acumulada de 47,72%; considerando o valor inicial da moeda, o valor final do salário mínimo seria R$ 345,25, ou 172,62% dos R$ 200 iniciais). (rflbm)

Questão sobre aborto Editar

O meu nome é P. R. Villas Boas.

Dilma afirma ser a favor da "descriminalização do aborto" e não a favor do aborto. Por favor, corrija o seu texto na página principal. E você considera a Veja e o Estadão fontes seguras e oficiais? A Veja e o Estadão são mídias parciais a favor do candidato Serra e totalmente contra a Dilma. Como você espera que confiemos nessas fontes? Eu mesmo tentei postar comentários em um deles criticando o método de análise dos dados, pois eles manipularam os dados de forma a impor um dada correlação dos dados, e tive todos os meus comentários bloqueados. É melhor você reconsiderar suas fontes, ou então, permita que outros usuários deste site usem fontes não confiáveis. A propósito, podemos usar depoimentos de políticos do Youtube?


Resposta: Corrigimos o texto que precede ao vídeo de Dilma dizendo ser a favor da descriminalização do aborto. Citamos uma entrevista dada à Veja como fonte corroborativa - por se tratar de entrevista, acreditamos ser válido ligar diretamente à revista. Adicionamos mais uma fonte referente ao apoio do PT à legalização do aborto. (Rodrigo Barni)


Sugestão: Análise dos governos do Estado de São Paulo Editar

Já que você montou um site sério com números e estatísticas sobre o governo federal, seria interessante fazer o mesmo para o governo do Estado de São Paulo. P. R. Villas Boas.


Resposta: Infelizmente, isto não será possível, ao menos por enquanto. (Rodrigo Barni)


Mortalidade Infantil Editar

A taxa de mortalidade do período Lula está com a data de término errada, o correto seria 2010 segundo sua própria fonte:

A taxa de mortalidade infantil no Brasil caiu 61,7% entre 1990 e 2010 - de 52,04 mortes por mil nascimentos em 1990 para 19,88/mil em 2010

http://www.portalodm.com.br/mortalidade-infantil-no-brasil-cai-61-em-20-anos--n--364.html


Resposta: O ano estava incorreto no texto. Foi corrigido. (Rodrigo Barni)


Detalhamento do cálculoEditar

É possivel quebrar as contas para cada uma das metricas e colocar um apontador adequado para as fontes? Por exemplo, eu nao consigo conferir a matematica para os indicadores de crescimento economico.


Resposta: Até é, mas dá um bom trabalho converter do Excel para algo que seja legível no Wiki. O cálculo é extremamente simples, no entanto. O mais complicado é a anualização das taxas, que não é nenhum mistério. (Rodrigo Barni)

Datas das estatísticas Editar

Os dados para análise do governo FHC começa em 1995 (quando FHC assumiu o cargo), mas o fim do exercício do mandato dele é no final de 2002. Portanto o certo é analisar entre 1995 e 2003, pois a maioria dos dados que você usa em suas análises é do começo do ano. O mesmo deve ser feito para o governo do Lula, que deve começar em 2003 e terminar em 2011. A propósito, como foi feito os cálculos por ano?


Resposta: As estatísticas referentes a um ano incluem, em geral, toda a movimentação no índice sendo analisado ocorrida naquele ano. Por isso, fazemos as comparações do ano imediatamente anterior ao da posse de um governo até seu ano final, compreendendo toda a variação ocorrida durante o mandato. São usados anos-base diferentes apenas quando não há estatísticas disponíveis para o ano em questão. (Rodrigo Barni)

Acesso à universidade Editar

Eu entendo que este dado indica o número de alunos matriculados em todos os anos, mas, para saber o que um presidente fez, o melhor é colocar o número de vagas criadas e não o de alunos matriculados. Nas universidades, há muitos alunos que desistem de seus cursos por diversas razões que não tem relação com os dois governos.


Resposta: Consideramos o número de matrículas como o melhor representante do acesso da população à universidade. Se há um número considerável de desistências, afetando o número de matrículas em relação ao número de vagas, isto pode também ser reflexo de políticas públicas. Tal reflexo já está computado no número de matrículas, mas não no número de vagas oferecidas. (Rodrigo Barni)

Inflação ao consumidor Editar

Se considerarmos a variação de R$1,00 no site indicado (índice IGP-M), entre Janeiro de 1995 a Dezembro de 2002 (mandato do FHC), o resultado final é R$2,52, ou 152% de inflação. Se considerarmos a variação de R$1,00 no site indicado (índice IGP-M), entre Janeiro de 2003 a Setembro de 2010 (mandato do Lula), o resultado final é R$1,61, ou 61% de inflação. Como foi concluída esta afirmação: "Queda na inflação acumulada foi muito maior no governo FHC que no governo Lula"? Esta afirmação "Fernando Henrique, como Ministro da Fazenda, implantou o Plano Real, que controlou a hiperinflação" não condiz com o tipo de análise que vocês fazem, pois a comparação é entre os governos de FHC e Lula, e não entre ministros da fazenda. Finalmente, "Governo FHC consolidou a estabilidade do plano real". Como? Se no governo do segundo presidente em análise houve inflação de 61% e no primeiro, de 152%.


Resposta: Foi utilizado o índice IPC-Brasil. A primeira afirmação é explicada pelo contexto histórico (especificamente, pela estratosférica inflação acumulada do governo anterior: 41.941.718,61%). A segunda afirmação é relevante por explicitar a causa da queda radical da inflação acumulada de oito dígitos. A terceira afirmação é explicada pelo mesmo motivo da primeira. (rflbm)


Dívida PúblicaEditar

A dívida pública não parece considerar a inflação. Em valores atuais, a diferença é bem menor

Resposta: A dívida apresentada é em valores atualizados, conforme os dados fornecidos pelo IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. A fonte dos dados é oficial e está devidamente citada. (Rodrigo Barni)

PNDH3 Editar

O texto "a alteração dos dispositivos do Código Penal referentes ao (...) alargamento dos permissivos para a prática do aborto legal" se refere a Subseção "Mulheres" da Seção "PROPOSTAS DE AÇÕES GOVERNAMENTAIS" do PNDH II (Decreto n° 4.229, de 13 de maio de 2002, período em que Serra era o ministro da saúde de FHC). Por favor corrija o seu texto. P.R. Villas Boas

Resposta: Obrigado pela contribuição, as sugestões referentes aos PNDHs foram adicionadas à página principal. Removemos as interpretações dadas aos textos, ligando diretamente aos dois programas. (Rodrigo Barni)


Aborto e PNDH3 Editar

Na Seção "Objetivo estratégico III", Subseção "Ações pragmáticas": intem g) "Considerar o aborto como tema de saúde pública, com a garantia do acesso aos serviços de saúde. (Redação dada pelo Decreto no 7.177, de 12.05.2010)." está escrito: "Recomendação: Recomenda-se ao Poder Legislativo a adequação do Código Penal para a descriminalização do aborto." Está claro que há apenas uma recomendação ao Poder Legislativo para adequação do Código Penal para a descriminalização do aborto. Portanto, não há nenhuma declaração explícida de Dilma nem do PT neste texto de ser a favor da descriminaliação do aborto, há apenas uma recomendação para que o Poder Legislativo, o poder responsável pela criação de leis, discuta o assunto. Por favor, inclua estas frases como estão escritas no PNDH3. P.R. Villas Boas

PNDH II (Decreto n° 4.229, de 13 de maio de 2002, período em que Serra era o ministro da saúde de FHC) Editar

Por favor, adicione os textos referentes ao PNDH II:

Seção "PROPOSTAS DE AÇÕES GOVERNAMENTAIS", Subseção "Mulheres", item 179. "Apoiar a alteração dos dispositivos do Código Penal referentes ao estupro, atentado violento ao pudor, posse sexual mediante fraude, atentado ao pudor mediante fraude e o alargamento dos permissivos para a prática do aborto legal, em conformidade com os compromissos assumidos pelo Estado brasileiro no marco da Plataforma de Ação de Pequim."

Seção "PROPOSTAS DE AÇÕES GOVERNAMENTAIS", Subseção "Garantia do Direito à Saúde, à Previdência e à Assistência Social" item 334. "Considerar o aborto como tema de saúde pública, com a garantia do acesso aos serviços de saúde para os casos previstos em lei."

Foi nesta época que o aborto foi permitido nos casos previstos em lei, como consta no PNDH II.

PR Villas Boas

Inconsistências nas Posições Políticas Editar

Serra diz ser contra o aborto (Correio Brasiliense: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2010/10/07/noticia_eleicoes2010,i=217049/SERRA+QUER+DISCUTIR+VALORES+NO+SEGUNDO+TURNO.shtml)

mas ele próprio ajudou a legalizar o aborto nas condições permitidas em lei ("Considerar o aborto como tema de saúde pública, com a garantia do acesso aos serviços de saúde para os casos previstos em lei.", Fonte PNDH II, Decreto n° 4.229, de 13 de maio de 2002, período em que Serra era o ministro da saúde de FHC). Além disso, José Serra, ministro da saúde, assinou norma em 1998 que ensina como fazer aborto (http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/norma-assinada-por-serra-orientava-sobre-como-fazer-o-aborto) que foi repudiada pela CNBB (carta também presente no site: http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/norma-assinada-por-serra-orientava-sobre-como-fazer-o-aborto).

Por favor adicione essas informações na seção correspondente.

PR Villas Boas.


Resposta: Acreditamos que normatizar uma lei existente há mais de 50 anos (Código Penal, Decreto-Lei No 2.848, de 7 de Dezembro de 1940), como pede a Constituição Federal, não caracteriza alteração na posição política do candidato e, portanto, não pode ser indicada como inconsistência em posições políticas. (Rodrigo Barni)

Inconsistência Política sobre Aborto (lógica) Editar

Caro Sr. Rodrigo Barni,

Vamos usar a lógica.

Hipótese: José Serra é contra o aborto.

Entre 1998 e 2002, José Serra foi ministro da saúde do governo FHC. Se Serra fosse mesmo contrário ao aborto, ele legalizaria o aborto mesmo em condições previstas em lei? Pense um pouco. Se a resposta é sim, a hipótese assumida é falsa. Ou você acha que ele não tinha o poder de vetar a legalização do aborto?


PR Villas Boas


Resposta: Normatizar leis existentes não é opção de um governo, mas sim sua obrigação, como define a Constituição Federal - tanto que existe remédio legal específico para o caso na forma do Mandado de Injunção. Cumprir uma obrigação legal não caracteriza qualquer tipo de posicionamento político, mas sim respeito à Constituição. (Rodrigo Barni)


Aliados Editar

Por favor, adicione o vídeo http://www.youtube.com/watch?v=j95_tp6GHug de Ciro Gomes falando do governo tucano FHC e Serra na Seção Aliados.

PR Villas Boas.


Resposta: Ciro Gomes não é aliado, e muito menos coordenador de campanha, de José Serra. Ele é, na verdade, coordenador de campanha de sua adversária, Dilma Rousseff. Atacar seu adversário direto não caracteriza inconsistência; defendê-lo como a melhor opção, no entanto, caracteriza, sim, inconsistência. (Rodrigo Barni)


Aliados (Marina Silva) Editar

No seu site está escrito: "Blog da Dilma chama Marina de "traíra": Google Cache de página do Blog da Dilma chamando Marina de "traíra", Matéria na Folha de São Paulo". O referido site está fora do ar. Se não tem como provar, remova-o! Além disso, deixe claro que quem mantém o Blog da Dilma são militantes do PT e não a própria Dilma, como está escrito na Folha de São Paulo. Aliás, se quer saber qual é a opinião de Dilma sobre Marina, adicione o vídeo http://www.youtube.com/watch?v=tnR0lnAj9iU&feature=related no seu site, que é uma parte da entrevista do Jô Soares em que Dilma comenta sobre Marina.

PR Villas Boas.


Resposta: Iremos esclarecer que o Blog da Dilma não é o site oficial da candidata, mas sim uma manifestação independente de seus apoiadores. No entanto, a remoção em si é que caracteriza a inconsistência, portanto o ponto é válido. (Rodrigo Barni)

Na verdade, por se tratar de simpatizantes e não de material oficial da própria candidata, resolvemos ser melhor remover o conteúdo da página principal. Obrigado pela contribuição. (Rodrigo Barni)

Taxa de crescimento econômico Editar

"Crescimento do Brasil no governo Lula: 27,66%" está errado. O correto é 34.68% segundo site do FMI (entre 2002 e 2010).

PR Villas Boas


Resposta: Os números utilizados para o crescimento real do Brasil são os fornecidos pelo Banco Central do Brasil, como está devidamente citado na seção que trata do assunto, e sua apresentação no texto está correta. Foram utilizados dados do FMI para comparações internacionais apenas por não existir tal opção de fonte oficial Brasileira. (Rodrigo Barni)


Sugestão Editar

Quando você alterar o texto da página principal, por favor dê crédito à pessoa que fez a contribuição.

PR Villas Boas


Resposta: A idéia não é creditar uma ou outra pessoa com as informações fornecidas, mas sim as fontes originais que apresentam tal informação. Para tanto, nenhuma contribuição ao texto é explicitamente creditada. (Rodrigo Barni)


Aliados (contradições de Lula) Editar

Na segunda parte do vídeo da entrevista de Lula (http://www.youtube.com/watch?v=k-ii8gJCZ_4&NR=1), um estudante da USP faz um comentário (7:05) sobre o Estado dizendo que ele está desmorando. Logo em seguida ele diz que as universidades estão perdendo professores e qualidade de ensino. Em outro momento (parte 3, 2:06), outro estudante, também da USP, comenta sobre um projeto de ensino gratuito para alunos carentes que não recebe apoio do governo. Ele diz ainda que o governo lançou na época um projeto "comunidade solidária para criar voluntários ao invés de aproveitar os que já existem". Uma estudante no instante 6:08 da parte 5 do vídeo diz que políticos promentem acabar com a fome, mas o que acontece é que a fome e miséria estão aumentando ainda mais.

Eu assisti todas as 5 partes desta entrevista e em nenhum momento Lula defende Collor. Se você é capaz de provar nesta entrevista o momento em que ele faz isso, por favor aponte!

PR Villas Boas

ps: Obrigado pelo vídeo que mostra comentários de estudantes da época do primeiro mandato de FHC sobre questões importantes como fome e miséria, educação e políticas não governamentais de ensino às pessoas carentes. Veja como o governo FHC é eficiente em desenvolver políticas públicas para os estudantes universitários.


Resposta: Neste vídeo, Lula ataca Collor. O vídeo onde ele o defende, demonstrando inconsistência, está logo abaixo na listagem. (Rodrigo Barni)


Lula ataca Plano Real e atuais aliados Editar

O vídeo que você discute esse assunto é o mesmo das contradições de Lula.

Como todo político opositor, Lula faz críticas ao plano Real. Na entrevista, ele diz que a base do Real é falsa, pois está fundamentada no atrelamento ao câmbio e na política de juros. Ele inclusive cita que o dolar está sobrevalorizado, o que estimula a importação e desestimula a exportação. Nessa época, o dolar valia R $1,00370, segundo site do Banco Central (http://www4.bcb.gov.br/pec/taxas/port/PtaxRPesq.asp?idpai=TXCOTACAO). A afirmação está correta. Ele continua dizendo que o plano Real está montado numa taxa de juros que é altíssima. Segundo http://www.receita.fazenda.gov.br/pagamentos/jrselic.htm#Taxa de Juros Selic - Acumulados, a taxa de juros de 1996 foi de 27.4% ao ano, enquanto que em 2009, a taxa foi de 9.92%. (Observação, não usei 1995, porque em janeiro deste ano a taxa aparece como 0% no site da receita federal e deve ser um erro.) Portanto a segunda afirmação também está correta. A explicação dele em seguida sobre a dificuldade de se conseguir empréstimo também é correta. Ele diz no final que falta uma política tributária séria.

Sobre o ponto de vista econômico, Lula está certo sobre a sobrevalorização da moeda e sobre a taxa de juros Selic. Só não é possível afirmar muito sobre o terceiro ponto da política tributária.

Interessante é que em 1996, o Brasil registrou déficit de US$ 3,157 bilhões em 1995, num ano em que o dolar tinha fechado o ano em R$0.9715 (29/12/1995). No governo do Lula, em 2009 no ano da crise financeira mundial, em que muitos países reduziram o seu comércio extermo, o Brasil registrou um saldo de US$ 25,3 bilhões em janeiro-dezembro de 2009 (dados do ministério da Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sitio/interna/interna.php?area=5&menu=571), com dolar fechando o ano a R$ 1,74040 (31/12/2009). Os dados mostram que o dolar não está sobrevalorizado no governo Lula e mostra também que a economia brasileira foi capaz de gerar superávit mesmo num cenário mundial adverso que foi a crise financeira mundial.

PR. Villas Boas.


Resposta: Análise interessante. Não altera, no entanto, o fato de que Lula foi contra o Plano Real, acusou-o de manobra eleitoreira, e, quando no poder, não acionou nenhum tipo de política pública para alterar as disposições do plano - na verdade, foi mantida a continuidade das políticas econômicas definidas no governo anterior. O Governo Brasil Wiki não existe para publicar opiniões ou análises pessoais, mas informações verificáveis. (Rodrigo Barni)

Inconsistência Política sobre Aborto - Posicionamento da candidata Dilma Editar

Você mesmo disse: "Normatizar leis existentes não é opção de um governo, mas sim sua obrigação, como define a Constituição Federal - tanto que existe remédio legal específico para o caso na forma do Mandado de Injunção. Cumprir uma obrigação legal não caracteriza qualquer tipo de posicionamento político, mas sim respeito à Constituição."

Pois bem, se o congresso aprovar leis de descriminalização do aborto, o presidente será obrigado a sancionar tal lei?

Portanto, que diferença faz o posicionamento dos candidatos quanto a essa questão?

ps: Favor indicar na página principal que o PNDH II foi desenvolvido no governo de FHC, quando Serra era ministro da saúde. Mostre a informação nua e crua.

PR Villas Boas.


Resposta: Seguir os princípios constitucionais não caracteriza inconsistência na posição política. Recomendar alterações na legislação e, depois, afirmar não ter feito tal recomendação, ao contrário, caracteriza. Isto deve ser suficientemente claro e não será alterado. (Rodrigo Barni)


Inconsistência (Ciro Gomes) Editar

O que eu quis mostrar é que Ciro Gomes é inconsistente em suas declarações. Portanto, ele não serve como prova contra Dilma. Portanto, remova esse vídeo. A menos que você queira mostrar que Ciro Gomes é inconsistente.

PR Villas Boas


Resposta: Obviamente, está sendo demonstrada a inconsistência política de Ciro Gomes, figura chave na campanha de Dilma Rousseff. (Rodrigo Barni)


Inconsistência Editar

Você mudou o vídeo. Quem está sendo inconsistente aqui?

Mesmo assim, vamos analisar o vídeo que você postou aí.

Na primeira parte do vídeo, Lula diz que "Collor ao invés de construir um governo construiu uma quadrilha..." e depois ele critica Collor mais uma vez.

Na segunda parte do vídeo, Lula elogia o trabalho de Collor afirmando que ele deu sustentação ao governo.

A única inconsistência aqui é que Lula, uma hora criticou e em outra hora elogiou o trabalho de Collor. Mas isso acontece em todo momento com todas as pessoas. Por exemplo, eu critico você pela forma como você coloca os dados, mostrando um desempenho superior em quase todos os indicadores do governo FHC em relação ao governo Lula. Há dados faltando e você utiliza de três tipos de análises distintas para mostrar a superioridade FHC (vou discutir isso no próximo comentário). Entretanto, tenho que admitir e reconhecer que você faz uma trabalho muito difícil e louvável por organizar todas essas informações. Confesso que estou aprendendo muito com essa discussão e com os dados que você colocou. Além disso, devo reconhecer que você é um dos poucos adversários que deixa eu comentar, criticar e sugerir informações para o seu site.

A propósito, essa discussão sobre o que um político ou outro diz foge da sua análise com dados confiáveis e concretos dos governos. Você sabe muito bem que políticos, ora defende um, ora defende outro, como é o caso do Ciro Gomes. Usar esses depoimentos do Youtube descaracteriza uma análise séria dos governos que você fez e que eu estou criticando. Vamos trabalhar juntos para trazer a verdade ao povo brasileiro.

Atenciosamente, PR Villas Boas.


Resposta: Os links não foram alterados, como pode ser visto no histórico da página. Se houve mudança, foi no vídeo cadastrado no YouTube, ou você acessou o vídeo errado anteriormente. Este site foi criado para apresentar fatos, não para apresentar discussões ou opiniões sobre os mesmos. Opiniões não serão publicadas nas páginas principais. (Rodrigo Barni)


Lula ataca Plano Real e atuais aliados (sua resposta) Editar

A sua respostas está infundada.

"Não altera, no entanto, o fato de que Lula foi contra o Plano Real, acusou-o de manobra eleitoreira, e, quando no poder, não acionou nenhum tipo de política pública para alterar as disposições do plano - na verdade, foi mantida a continuidade das políticas econômicas definidas no governo anterior. O Governo Brasil Wiki não existe para publicar opiniões ou análises pessoais, mas informações verificáveis."

Onde está a fonte que afirma que Lula acusou o Plano Real de manobra eleitoreira?

Em primeiro lugar, minhas análises não são opiniões, mas sim análises dos dados confiáveis. Em segundo lugar, eu sei que Lula criticou o plano Real, mas isso não quer dizer que ele próprio alteraria a política econômica. Aliás, ele mudou sim a política econômica - ele reduziu a taxa de juros Selic, ou você vai me dizer que a redução da taxa de Juros Selic já estava definida pelo governo FHC para os próximos governos?

PR Villas Boas


Resposta: Realmente, estava faltando link para um vídeo específico. Obrigado por apontar a falha. O link é este: http://www.youtube.com/watch?v=wcbEnnhkDd8 (onde Lula chama o Plano Real de 'estelionato eleitoral') e será adicionado à página principal. 'Análises' são sempre fundadas em opinião e não serão publicadas, não insista. (Rodrigo Barni)

Inconsistência na análise dos dados Editar

Há três tipos distintos de análises dos dados que são inconsistentes entre si:

1. Governo FHC x Governo Lula. Ex.: Acesso à universidade

2. Governo FHC/(Governo Itamar) x Governo Lula/(Governo FHC). Ex.: Inflação

3. Governo FHC/Mundo(t1) x Governo Lula/Mundo(t2). Ex.: Taxa de crescimento econômico.


Quando você cria um índice de comparação, para que ele seja comparável, ele precisa de um denominador comum. Imagine que queremos investigar a taxa de crescimento da população de uma cidade. Então fazemos 4 medições nos tempos t1, t2, t3 e t4, resultando em populações p1, p2, p3 e p4, respectivamente. Agora queremos saber se o crescimento da população foi mais acentuado entre t2 e t3 ou entre t4 e t3 em relação à taxa de crescimento entre t2 e t1. A taxa de crecismento entre t3 e t4 é p4/p3 e, entre t2 e t3, é p3/p2. Para que essas taxas sejam comparáveis em relação a variação entre t2 e t1 tempos que dividir (p4/p3)/(p2/p1) e (p3/p2)/(p2/p1). Desta forma a medida é comparável.

Agora imagine que queiramos comparar essas taxas de crescimento da cidade A com todas aos outras do mundo (M). Apenas para comparação, podemos usar pA4/pA3 e pM4/pM3, mas que garantia temos que (pA4/pA3)/(pM4/pM3) vai ser comparável com (pA3/pA2)/(pM3/pM2)? Eles não são comparáveis porque não tem o mesmo denominador comum.

Vou citar um exemplo seu sobre salário mínimo em dolares: "O valor em dólar não é representativo do poder de compra no Brasil. A variação do dólar, em si, não é boa nem ruim, afetando de forma completamente diversa setores diferentes da sociedade: o aumento no USD favorece as exportações (gerando emprego e renda) enquanto a queda favorece as importações (baixando custos). Verificamos o salário mínimo necessário segundo o DIEESE mas optamos por não utilizar os dados, até porque os dados não são oficiais mas de uma organização sindical. Se você tiver uma fonte oficial (de preferência governamental) para um dado similar iremos considerar."

Como você mesmo já notou, não podemos utilizar dados externos ao país para comparar nossos indicadores pois eles não têm relação direta com o nosso país. Um contra exemplo, que eu não vou explorar a meu favor para comparar a economia dos dois governos foi a crise financeira mundial de 2009. Não houve crise parecida no governo FHC.

Desta forma, a única análise correta é a primeira que leva em conta apenas as taxas de crescimento obtidas em cada governo. Qualquer outro tipo de índice utilizado favorece um determinado candidato, tornando parcial a sua análise. É exatamente isso que você não quer fazer, não é mesmo?

A única ressalva que faço é com relação aos índices econômicos que sofrem com a inflação. Estes sim devem ser corrigidos para serem comparáveis.

Atenciosamente, PR Villas Boas.

Comentário Editar

Caro Sr. Rodrigo Barni,

Eu lhe considero meu adversário e não meu inimigo. Estou aqui apenas para criticar os dados e a forma como eles foram publicados. Não estou a vandalizar suas análises. Estou apenas contribuindo para que eles sejam mais claros e corretos possíveis.

Só quero deixar registrado aqui a sua instransigência de aceitar os fatos e de publicá-los de forma correta. Você está publicando só a parte que lhe interessa. Eu lhe dou dois exemplos: você ainda deu crédito ao ministro da saúde José Serra e ao governo FHC à criação do PNDH II; nem colocou os dois vídeos de Ciro Gomes mostrando a inconsistência dele. Se ele apoia a Dilma, pode dizer isso, mas deixe claro que ele é o inconsistente e não, a candidata Dilma.

Além disso, a cada crítica ou sugestão que vai contra a sua opnião você sempre tenta achar uma solução para o contrário. Se você quer ser imparcial, tem que aceitar mais as críticas e não rebatê-las como tem feito.

PR Villas Boas

Taxa de juros Selic Editar

Por favor, publique a seguinte informação:

Redução da taxa de juros Selic de janeiro de 1996 a dezembro de 2002 (FHC): -6.96% ou -0.99% ao ano (é negativo porque a taxa de Juros Selic subiu). Redução da taxa de juros Selic de dezembro de 2002 a dezembro de 2009 (Lula): 65.26% ou 9.32% ao ano.

Fonte: http://www.bcb.gov.br/Pec/Copom/Port/taxaSelic.asp#notas

PR Villas Boas.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória